Sérgio explica saída de Óliver e atira: “Ninguém está acima de nós”

Sérgio explica saída de Óliver e atira: “Ninguém está acima de nós”

Treinador do FC Porto comentou a vitória sobre o Santa Clara (2-1)

Análise: “Sabíamos do poderio desta equipa que, tirando o jogo com o Moreirense, onde conseguiram uma vitória, tinha feito resultados não condizentes, na minha opinião, com o valor da equipa, que é competitiva, perigosa nas bolas paradas e bem organizada. Sabíamos disso. Entrámos bem no jogo, fizemos 15, 20 minutos bons, críamos ocasiões para marcar o golo e se o tivéssemos feito, teria sido mais fácil. Não o fizemos, acabamos por sofrer um golo num campo pesado”.

Mudança ao intervalo: “Não foi um jogo bonito, mas foi competitivo. Fomos em busca do golo, fizemos o golo antes do intervalo e as modificações que fiz eram para ir em busca do segundo golo. Juntar alguém ao Tiquinho, tendo o Otávio e o Herrera mais por dentro, jogando com o Danilo. Não foi que o Óliver estivesse mal no jogo, mas precisava de algo diferente e conseguimos. É uma vitória justa, contra uma equipa difícil e que nos criou sempre… Não direi muitas dificuldades, mas tudo o que foram bolas paradas fez-nos estar sempre alerta, sempre atentos ao que poderia ser uma segunda bola”.

Reação antes do intervalo: “Não há só estratégia antes do jogo, há também durante o jogo e com o intuito de ganhar. A equipa não sabe gerir o jogo, no sentido de ter posse de bola passiva e deixar o tempo correr. Olhamos constantemente para a equipa adversária, tivemos uma ou outra possibilidade de estar mais tranquilos, mas não conseguimos. Dar os parabéns pela entrega de ambas as equipas, não tendo em conta o que foram as paragens no jogo, as idas ao monitor, com constante comunicação com o VAR… Isso quebra a intensidade do jogo. No fundo conseguimos uma vitória importante e isso é que faz parte da nossa caminhada no objetivo principal, que é o campeonato”.

FC Porto voltou a começar em desvantagem antes de vencer: “É uma equipa com caráter, com personalidade e também maturidade muito interessante. Aquilo que sabemos é que, nas competições internas, ninguém está acima de nós. Nós é que por vezes damos algo ao adversário para poder ser melhor em alguns capítulos do jogo. No plano emocional estamos a atingir uma maturidade interessante, não nos cansamos de vencer, queremos mais e melhor”.

13.ª vitória consecutiva. A meta é a 15.ª, o melhor registo do FC Porto? “Meta era hoje ganhar o jogo. Agora fazer a viagem, pensar no jogo de terça-feira, para uma competição onde temos uma palavra a dizer. Não ligo a essas estatísticas, é bom ter essas vitórias com esses tais números, mas para nós o importante é o jogo, a vitória. Cada vez que jogamos queremos ganhar o jogo, o recorde… Digo isto sem qualquer tipo de falsa modéstia, é porque não ligo a isso. Ponto”.