FC Porto vence Feyenoord, apura-se para a próxima ronda e vence o...

FC Porto vence Feyenoord, apura-se para a próxima ronda e vence o grupo

O FC Porto garantiu nesta quinta-feira o apuramento para os 16 avos de final da Liga Europa. Os dragões selaram a passagem na última jornada, com um triunfo frente ao Feyenoord (3-2), terminando no primeiro lugar do Grupo G, graças ao empate entre o Rangers e o Young Boys, na Escócia (1-1).

A equipa portista volta a chegar à passagem de ano ainda na Europa, algo que acontece de forma ininterrupta desde 2005/06, época da sofrível campanha na fase de grupos da Liga dos Campeões: último lugar, atrás de Inter, Rangers e um tal de Artmedia. Seguiram-se catorze anos a garantir a presença nas fases da eliminar das provas europeias.

Os dragões salvaram a imagem no panorama internacional mas fizeram um percurso errático, abaixo da habitual dimensão do clube. Venceram o Feyenoord quando o empate bastava, é certo, sem evidenciaram falhas defensivas que foram uma constante ao longo desta fase de grupos. O FC Porto encaixou nove golos, dois deles num início de jogo inacreditável no recinto portista.

À passagem da meia-hora, os cerca de 28 mil espectadores presentes no Estádio do Dragão já tinham assistido a uma curiosa troca de prendas entre as duas equipas. Um franco de Marsman permitiu o festejo de Luis Díaz (14m) e um autogolo inacreditável de Malacia (16m), após iniciativa de Soares, garantira uma vantagem de dois golos para os locais. Porém, estes devolveram a gentileza.

Sérgio Conceição dissera na véspera que os defesas-centrais do FC Porto ofereciam todas as garantias mas Pepe e Iván Marcano, sobretudo o luso-brasileiro, falharam nos lances que permitiram a resposta do Feyenoord. No 2-1, por exemplo, os dois ficaram a marcar o mesmo jogador (Senesi), libertando Botteghin para um cabeceamento fácil ao segundo poste (20m). Três minutos mais tarde, foi Larsson a antecipar-se a Pepe para assinar o empate com um desvio subtil.

O alarme soou na casa portista e, já depois de um penálti por marcar (mão de Sinisterra ao minuto 26), os portistas colocaram-se novamente em vantagem na sequência de um lance bem desenhado. Danilo serviu Marega na direita, este fugiu à marcação e cruzou atrasado para a entrada da área, onde Otávio obrigou Marsman a defesa incompleta. Na recarga, Soares impôs-se perante Eric Botteghin, com o defesa brasileiro a reclamar falta do adversário.