FC Porto reage à decisão do E-Toupeira: “Chegou o tempo da justiça...

FC Porto reage à decisão do E-Toupeira: “Chegou o tempo da justiça desportiva agir”

Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, esteve esta noite no Porto Canal para comentar a decisão do dia relativamente ao processo E-Toupeira.

Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa, decidiu esta sexta-feira não levar a julgamento a SAD do Benfica, por nenhum dos 30 crimes pelos quais estava acusada, mas o antigo assessor jurídico Paulo Gonçalves será julgado por corrupção. À noite, a reação do FC Porto chegou pela voz de Francisco J. Marques no Porto Canal.

Sobre a decisão: “O que ficamos a saber foi que Paulo Gonçalves e José Augusto Silva foram pronunciados de crimes, cuja mais grave é corrupção. O que temos aqui é que o diretor jurídico do Benfica, braço direito de Luís Filipe Vieira e um quadro relevante do Benfica à data dos factos, está acusado de corrupção. E vai ser julgado por isso. Desta decisão já não há recurso; é definitiva. Vais mesmo haver julgamento do arguido Paulo Gonçalves. Parece-me um bocadinho otimista de mais concluir que há aqui uma vitória do Benfica.”

Tempo para a justiça desportiva: “O Paulo Gonçalves trabalhava para o Benfica, era o braço direito de Luís Filipe Vieira. Não trabalhava para o Carcavelinhos, para o FC Porto ou para o Fornos de Algodres. Estamos perante uma situação muito clara e que importa ter noção: há uma acusação de corrupção que vai chegar a julgamento. Isso é indesmentível e, por mais voltas que se dê, não se consegue fugir a isto. Chegou o tempo da justiça desportiva agir, porque há uma acusação de corrupção sobre um dirigente desportivo à data dos factos. O Paulo Gonçalves era dirigente desportivo e, quanto a isso, não pode haver dúvida absolutamente nenhuma. O melhor exemplo disso é que o CD da FPF tem, repetidamente, considerado que sou dirigente desportivo enquanto diretor de Comunicação do FC Porto. E é à custa disso, que me castiga muitas vezes por declarações que faça. Ora, o Paulo Gonçalves, que estava presente nas reuniões da Liga, seguramente que é facilmente comprovável que era dirigente desportivo. Chegou a altura da justiça desportiva se envolver neste caso. Temos um dirigente desportivo acusado de corrupção. Isso tem ou não consequências a nível desportivo? Como leigo, parece-me evidente que sim.”

Recursos: “Em relação ao resto, não sabemos sequer se o jogo já acabou, porque o Ministério Público pode ainda recorrer. O mais normal é que o faça, porque é o que normalmente acontece quando as acusações não têm total provimento do juiz de instrução, mas não sabemos se o vai fazer. Pode acontecer que outras partes queiram recorrer e o Sporting já fez um comunicado a dizer que, provavelmente, irá recorrer.”

O caso dos emails: “Somos espectadores deste caso, porque, se há um caso em que se pode falar de um “combate” entre FC Porto e Benfica é o dos e-mails; não é este. Mas, do meu ponto de vista, não deixa de ser relevante que o grande protagonista do caso dos e-mails, Paulo Gonçalves, esteja aqui a mãos com um julgamento de corrupção no caso e-toupeira.”

Um pormenor: “Há uma coisa que fica muito clara: todas estas coisas aconteceram mesmo. Não deixa de ser curioso que houve 203 acessos para consulta ao caso dos emails. Isso mostra a preocupação que existia por parte de Paulo Gonçalves, que pediu ao José Augusto Silva para aceder e passar informação. Podemos dizer que isso acontecer até com algum benefício do Benfica. A Dr. Juíza não deu muita importância a isso, terá tido uma atitude bastante conservadora, mas, mesmo assim, chegou à conclusão que ambos deveriam ser julgados por corrupção.”