FC Porto 3-0 Marítimo – Crónica

FC Porto 3-0 Marítimo – Crónica

Vitória justa, clara e indiscutível do Futebol Clube do Porto por 3-0 sobre o Marítimo. Logo aos 8 minutos 1 jogador do Marítimo é bem expulso. João Capela só mostrou o amarelo mas foi alertado- e bem- pelo VAR que o lance era para cartão vermelho. Quatro minutos antes João Capela assinalou-mal- 1 penalty a favor da equipa azul e branca mas foi corrigido pelo VAR. A partir do lance da expulsão, o Marítimo fechou-se ainda mais no seu meio campo, não fez 1 único remate à baliza e nunca criou perigo junto da defesa azul e branca. Até ao intervalo o FC Porto criou diversas oportunidades de golo mas não conseguiu concretizar e nos descontos Danilo viu 1 golo bem anulado. O campeão nacional acusou alguma ansiedade e faltou mais velocidade e intensidade no seu jogo. Na 2ª parte, Sérgio Conceição tirou Pepe e colocou Manafá e Militão passou a jogar no centro da defesa ao lado de Felipe. O lado direito do clube azul e branco ganhou profundidade e velocidade e eram notórias as melhorias. Foi com naturalidade que o FC Porto chegou ao 1-0 por Alex Telles aos 57 minutos na conversão de 1 grande penalidade. O penalty foi claro mas só foi assinalado porque o VAR chamou a atenção do árbitro. Por volta dos 70 minutos, Sérgio Conceição tirou Otávio e meteu Brahimi e a equipa melhorou o seu rendimento e aos 72 minutos Militão marcou o golo da tranquilidade. Já muito perto do final Brahimi marcou o melhor golo da noite e pelo meio foi anulado- e bem- mais 1 golo a Danilo.

Destaque para Alex Telles, Marega, Danilo, Corona, Militão- que bem jogou a central, como lateral não consegue dar tanta profundidade- Manafá e Brahimi. Sérgio Conceição acertou nas substituições mas falhou no timing. Na minha opinião Manafá devia ter entrado aos 30 minutos e Brahimi logo no início da 2 ª parte. Perante 1 adversário reduzido a 10 jogadores e muito fechado no seu meio campo, fazia todo o sentido colocar Manafá e Brahimi mais cedo de forma a dar maior profundidade, velocidade e criatividade ao jogo ofensivo da equipa azul e branca.

O VAR salvou João Capela de 1 arbitragem desastrosa.

Dever cumprido! Agora venha o Braga! Entretanto haverá 1 interrupção de 15 dias para os jogos de qualificação para o Campeonato de Europa de 2020.

P.S: foi 1 grande dia para a família azul e branca. Vitória na meia final da Taça de Portugal em basquetebol e vitória sobre o clube da zona de Alvalade em hóquei em patins- jogo intenso e competitivo- por 3-1 que coloca o clube azul e branco na liderança isolada do campeonato.

Nuno Morujão