FC Porto 1-2 Benfica – Crónica

FC Porto 1-2 Benfica – Crónica

O título de 1 eventual crónica sobre o jogo desta noite poderia ser “Como entregar o ouro ao bandido”. O FC Porto perdeu 2-1 no Dragão com o clube de todos os regimes e só pode queixar-se de si próprio. Sérgio Conceição não esteve bem na abordagem ao jogo: Danilo deveria ter jogado de início com Herrera e Oliver no meio campo. Soares começou o jogo no banco e Adrián López-bom jogo e 1 belo golo- jogou a titular. A equipa até entrou bem e marcou aos 18 minutos por Adrián López. O jogo parecia bem encaminhado. Mas aos 26 minutos, o clube do regime fez o empate num lance oferecido pelo clube azul e branco. Casillas faz um passe para a intermediária para Adrián Lopez, este sofre 1 falta e perde a bola, Manafá ainda recupera a bola, mas também sofre falta e perde a bola para um jogador da turma de carnide e assim nasce o empate. Neste lance estiveram mal o árbitro e o VAR pois o golo é precedido de 2 faltas sobre, respectivamente, Adrián López e Manafá. Respeito quem pensar de forma diferente, mas acho que o 1º golo da turma de carnide é precedido de 2 faltas. Mas Casillas não tomou a melhor opção pois fez 1 passe arriscado fora da sua grande área e podia ter recuado para a grande área e agarrado a bola com a mão. E Manafá podia também ter tomado 1 decisão menos arriscada e atirar a bola para fora. Até ao intervalo o jogo esteve equilibrado. Mas o clube azul e branco perdeu a concentração e desorganizou-se depois de fazer o mais difícil: marcar primeiro. Na 2ª parte, o clube do regime marca o golo da vitória no 1º remate à baliza. Mais 1 lance muito consentido pela equipa azul e branca. A partir daí, o FC Porto foi à procura do golo mas faltou lucidez, discernimento e inspiração no último terço do terreno. Sérgio Conceição tirou Adrián Lopez e Corona- exibição muito infeliz- e colocou Soares e Otávio. E a 12 minutos do fim Gabriel é bem expulso e Conceição tira Oliver e mete Danilo. O FC Porto passa a jogar com 3 defesas e os laterais muito subidos e cria, ainda, 3 flagrantes oportunidades de golo mas desperdiça-as de forma inacreditável.

Péssimo resultado, exibição cinzenta e desinspirada. Faltou intensidade, criatividade e maturidade. O resultado mais justo seria o empate. O Futebol Clube do Porto foi ultrapassado pelo clube do regime e está a agora a 2 pontos do 1º lugar. Faltam 10 jogos e nada está perdido. De facto, faltam muitos jogos e a equipa do clube do regime é frágil, tem 1 defesa com muitas limitações-e muito durinha, diga-se- e joga aos esticões: bola para a frente para a velocidade de Rafa, para a criatividade de João Felix e a força física de Seferovic.

Hoje gostei de Brahimi- o único jogador que procura e cria desequilíbrios-, Oliver e Adrián Lopez, que fez uma boa 1ª parte. Mas Danilo fez muita falta no meio campo e entendo que o meu clube deve jogar com 3 jogadores no meio campo nos jogos de grau de dificuldade mais elevado. Até porque Corona e Brahimi desgastam-se muito nas tarefas defensivas.

Agora é levantar a cabeça, seguir em frente e ganhar o próximo jogo contra a Roma. Nada está perdido. No final do jogo com o Braga disse que nada estava ganho e que havia muito para conquistar. Agora digo que nada está perdido e ainda há muito para ganhar.

Estou de telha, triste e destroçado. Saí vencido mas não convencido. Desistir? NUNCA!!!

Nuno Morujão