Análise S.C Angrense 0-2 FC Porto (4ª Eliminatória Taça de Portugal)

Análise S.C Angrense 0-2 FC Porto (4ª Eliminatória Taça de Portugal)

Uma vitória natural num jogo tranquilo, feito de uma forma positiva num jogo em que ambas as equipas tentaram jogar o seu futebol. Com muitas caras pouco habituais no onze, e uma entrada muito positiva nas estreias de Sérgio Oliveira, José Ángel e de Vítor Garcia, mostramos que temos plantel para formar vários onzes competentes, mas também que temos um estilo de jogo que adapta facilmente diferentes jogadores às posições. Se todos os jogos tivessem esta tranquilidade, seriamos Portistas felizes. Vamos a notas:

Bueno – Não só porque marcou os golos, o segundo então, de excelente execução, mas Alberto Bueno mostrou que é um jogador mesmo… bueno. Presente em todos os momentos, excelente a atacar, a rasgar e a criar espaços e muito competente a compensar na defesa, Bueno merece, de longe, o MVP da noite.

Sérgio Oliveira – Presente, interventivo, entregue, com passes de rotura e muita raça, merece muitas mais oportunidades do que as que tem tido. Muito bem.

Dupla de Laterais – Bem sei que o jogo era mais ofensivo que defensivo, mas tanto Ángel como Garcia estiveram bastante bem, com especial incidência no primeiro. Ángel fez excelentes cruzamentos, foi determinante no ataque e também fez por dar sinal de que a lateral esquerda não está desamparada.

Imbula – O verdadeiro pêndulo do FC Porto, foi ele quem determinou o tempo e o compasso a que todos se mexiam. Óptimo no apoio defensivo, fez ainda duas arrancadas que são a sua assinatura. Já se vai vendo um Imbula a adaptar-se bem ao seu papel no jogo.

Angrense – A atitude e a entrega que deram ao jogo, querendo jogar futebol, faz corar muita equipa de primeira liga adepta da Matemática do Pontinho. Deixaram, literalmente, tudo no campo fazendo deste um belo jogo de parte e banda. Futebol positivo favorece ambos. Menção especial para David Dinis que fez algumas defesas de guarda-redes de topo. Bravo!

Varela – Perdido, complicativo, perdulário e distante. Varela está a deixar fugir toda a justificação para o seu regresso. E é uma pena. O talento está lá.

Herrera – Esta dupla parece querer validar o argumento de Miguel Sousa Tavares. Voltou a não acrescentar nada ao jogo, a perder passes e a ligar o complicómetro desnecessariamente. Quem o vê na selecção mexicana não diria que é a mesma pessoa.

Evandro – Tentou bastante, mas emperrou muito. Não foi ausente como os colegas destacados em cima, mas também não foi esclarecido. Saiu consciente de que não foi o seu dia.

Osvaldo – Mais um jogo em que teve muitos minutos em campo, à semelhança de muitos outros, e mais uma vez não mostrou rigorosamente nada. Espero que vá embora em Janeiro e que venha um avançado que marque golos.

1